Sereias avistadas por Colombo mai03

Tags

Related Posts

Share This

Sereias avistadas por Colombo

Na era dos Descobrimentos, ver uma sereia era quase obrigatório para os exploradores. Mapas dos séculos XVI e XVII comumente apresentam sereias nos mares pouco explorados. Cristóvão Colombo viu três perto do Haiti. Sir Richard Whitburne viu uma quando descobria a Terra Nova em 1610, e a tripulação de Henry Hudson viu outra. Em todos os casos, os relatos comparam o que foi visto com as imagens da arte – Colombo achou suas sereias menos bonitas e mais masculinas do que esperava.

 

Em 3 de novembro de 1523, o médico Ambrosius Paré relatou ter visto um tritão do tamanho de um menino de cinco anos e era “como um homem até o umbigo, exceto pelas orelhas; no resto do corpo se assemelhava a um peixe.

 

Os homens de Hendrik [Henry] Hudson viram uma sereia em 15 de junho de 1608: “do umbigo para cima, suas costas e seios eram como os de uma mulher (…) sua pele era muito branca e o longo cabelo, de cor negra, caía para trás. Ao mergulhar, viram sua cauda, que era como a cauda de um golfinho, mas pintada como a de uma cavala.

 

Em 1620, o capitão Richard Whitbourne viu uma sereia quando estava à beira da baía de St. John, na Terra Nova. Seu rosto era belo, mas tinha listras azuis na pele no lugar de cabelo. As proporções de sua cauda eram “como uma flecha de farpas largas”.

 

Em 1614, o capitão John Smith, navegando nas Índias Ocidentais, viu uma sereia “nadando com toda a graça possível perto da costa”. Como Paré, observou que as orelhas eram muito longas, mas que de resto ela era bela. Seu cabelo era verde e ela era um peixe da cintura para baixo.

 

Em 1717, uma sereia foi capturada perto da ilha de Bornéu. “Tinha 59 polegadas (1,5 metro) de comprimento e suas proporções eram como as de uma enguia.” Teria vivido quatro dias em cativeiro. Recusou-se a comer e fez e sons lastimosos como os de um camundongo. O relato desses eventos, de 1754, sugere que sereias mortas nunca eram encontradas porque sua carne apodrece muito rapidamente. Nas proximidades, em 1652, mais de 50 pessoas haviam visto um tritão e uma sereia, ambos cinza-esverdeados com corpos afilados, nadando lado a lado.

 

Em 1739, pescadores perto da cidade de Exeter viram um tritão com pés palmados e uma cauda como a de um salmão. Seu nariz era “algo deprimido” e tinha cerca de 4 pés (1,2 metro) de comprimento.

 

Em Campbelltown, Escócia, em 1811, um agricultor andava à beira-mar quando viu algo branco sobre uma rocha negra a alguma distância da costa. Ele escalou as rochas até poder vê-lo: era um tritão de pele branca com uma cauda cinza-avermelhada. Tinha cabelo comprido e entre 4 e 5 pés (1,2 a 1,5 metro) de altura. Dias depois, uma jovem da vila viu um tritão mergulhar de uma rocha no mar. Tinha cabelo escuro e comprido, pele branca e uma cauda castanho-escura e afilada.

 

Em Port Gordon, Escócia, pescadores viram um tritão com braços notavelmente compridos, boca grande e cabelo encaracolado curto e verde-acinzentado. Mergulhou para fora da vista e então retornou com uma sereia para ver os pescadores.

 

Em 1842, o conhecido diretor de circo P. T. Barnum apresentou a “Sereia de Fiji” e a anunciou como algo digno de se ver. Era uma fraude feita com uma cabeça de macaco, o torso de um bebê organgotango e a cauda de um peixe. Seus anúncios davam a impressão de que se poderia ver a sereia viva, mas obviamente o que se mostrava era esse grotesco espécime preservado. Esse exemplar foi perdido em um incêndio do circo de Barnum na década de 1860, mas foi amplamente imitado por montagens semelhantes de outros circos e espetáculos de monstruosidades, até os dias de hoje.

 

Em 1931, na ilha escocesa de Benbecula, uma sereia morta foi encontrada e enterrada perto da costa pelo xerife. “A parte superior da criatura era do tamanho de uma criança bem-alimentada de três ou quatro anos, com um seio anormalmente desenvolvido”. Ela tinha cabelo escuro e longo e pele branca. “A parte inferior do corpo era como a de um salmão, mas sem escamas”.

 

Em 1938, um Dr.Donnelly pescava perto das Ilhas Virgens quando viu uma sereia. Todos os dias, por uma semana, ela seguiu seu barco, agarrando-se à sua linha de pescar e então, quando ele puxava o anzol vazio, aparecia à superfície e ria. Seu cabelo era curto e penugento. Sua pele era branca como a barriga de um peixe. Não era bela, mas o médico relatou que parecia ter inteligência humana [7].

 

É possível que muitas dessas sereias tenham sido peixes-bois e outros mamíferos aquáticos semelhantes, hoje classificados cientificamente como “sirenídeos” ou ainda focas e outros pinípedes.

 

Entusiastas da criptozoologia também costumam especular (alguns com seriedade, outros ironicamente) sobre a possibilidade de um ramo hominídeo evoluído a partir de “macacos aquáticos”, levando em conta a hipótese de Alister Hardy, que especulou sobre a possibilidade de a ausência de pelos nos humanos, em comparação aos seus parentes mais próximos entre os macacos, estar relacionada a uma etapa semi-aquática de sua evolução sempre somos feios. RELATOS: